quinta-feira, 28 de abril de 2011

Recebendo de Deus

Depois de tanto tempo sem escrever, acho que agora é hora de voltar. Eu estava no meu tempo de falar, mas chegou meu tempo de calar (Eclesiastes 3:7b). E agora estou de volta a falar.

E ultimamente eu tenho pensado muito sobre tudo o Deus nos dá e forma como recebemos aquilo que vem de Suas mãos. É muito fácil expressar gratidão, ainda mais se a benção for exatamente o que queríamos. Mas se a vontade de Deus pra nós é diferente da nossa vontade, continua fácil expressar gratidão? É algo como “Valeu Deus, mas poxa, o Senhor sabia que eu queria diferente.” ou “Deus, eu realmente sou grato a Ti por me dar o que eu precisava e não o que eu queria, muito obrigado porque a sua vontade é melhor que a minha.”? Algumas vezes esquecemos Quem é Deus e quem somos nós. O homem não pode receber coisa alguma, se não lhe for dada do céu.” – João 3:27. Em alguns momentos só vamos até Deus para receber coisas, esquecemos que tudo o que temos só é nosso por causa de Jesus Cristo. Temos nos distanciado do Pai porque não conseguimos submeter a Ele a nossa vontade. Temos trocado a presença de Deu por momentos que logo passam; deixamos de lado a eternidade na glória pela vida terrena.

Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez. Sei que tudo o que Deus faz permanecerá para sempre; a isso nada se pode acrescentar, e disso nada se pode tirar. Deus assim faz para que os homens o temam.”
 Eclesiastes 3:11,14.

Está certo, Deus já sabia que, mesmo nos revelando o que nos espera, não entenderíamos de verdade a grandeza de tudo isso. É difícil esperar no que não vemos. É tão mais simples confiar no que está diante dos nossos olhos, mas aquilo que não vemos é no que Deus está trabalhando. Quando confiamos em Deus, Ele faz gerar dentro de nós a Sua esperança que não falha. Muitas vezes queremos sinais poderosos de Deus para poder prosseguir na caminhada, e não percebemos que sinais poderosos tem nos seguido desde que aceitamos caminhar com Ele. Se andarmos de fato na luz de Cristo, o nosso testemunho será um sinal poderoso.

Deus nos abençoe.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Amor ao próximo


"Eu quero amar como Tu amas. Me importar com os perdidos fazer obras maiores..."

É cantando essa música que me deparo com a preciosidade desse verso e paro pra pensar na responsabilidade que é entoar esse cântico.

Vivemos como se fosse o último dia, clamamos pelas bênçãos do Senhor como se sem nunca tivéssemos recebido nada das Suas mãos, quase que impondo condições para que o Criador nos faça prosperar.

Envolvido pela vida e o que ela pode me trazer me esqueço do que é mais importante, a ordenança dada não somente aos discipulos, mas estendida a todos que se achegaram ao ao Pai por intermédio de Sua graça redentora e do sacrifício de Cristo: "(...)ide a todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura;" (Marcos 16:15). Esqueço-me do valor que há em uma alma para Cristo, que devo ser a extensão do amor do Pai nessa Terra, terra onde se faz necessário pessoas amáveis, pacientes e bondosas, pessoas que não façam apenas boas obras, mas que traga esperança e conforto ao coração aflito e alívio ao cansado e ferido.

Mais do que nos encher de bens e nos cercar de conforto, Deus quer que façamos Sua vontade e permaneçamos debaixo das Suas mãos. Pra Ele é bem melhor te ver chorando aos pés d'Ele a te ver "alegre" se entregando à prazeres que destroem sua alma e banalizam seu corpo, templo do Espírito Santo de Deus. Mais que viver uma vida de profundo relacionamento com Cristo, Deus quer que o nome d'Ele seja proclamado aos quatro cantos da Terra, proclamado nas esquinas, ensinado nas escolas, transmitido em projetos sociais... Enfim, que o Reino se estenda e se estabeleça sobre nossas vidas e àqueles que nos cercam. A proclamação do evangelho é papel principal da Igreja, não pode se tornar segunda opção em nossas vidas, antes ser feito com toda vitalidade de jovens enquanto ainda a temos.

Nos omitimos muitas vezes acreditando na teoria de que o evangelho e o sacrifício da cruz fala por si só e não precisamos fazer mais nada senão cruzar os braços esperando que ele se espalhe enquanto nos deleitamos nas bênçãos  que Ele nos dá. É certo falar do poder que há nele, na soberania ou mesmo na imutabilidade do amor do Pai, mas isso não tira a responsabilidade que a nós foi dada para fazê-lo conhecido. Como egoístas, preocupados com nosso bem-estar, descompromissados com a vida perdida e que sofre pela falta de Deus.

A obra da cruz precisa ser apresentada às pessoas, "(...)a toda criatura" é meu vizinho que vive enganado pela religiosidade e cego por seus pecados e vícios, aos meus colegas de escola que vivem o "carpe diem", aos parente que tanto amo, mas sou incapaz de lhes mostrar um amor que pode muda a história de gerações e fazê-los viver uma vida plena.

O Evangelho sem a cruz de nada valerá, Jesus é peça principal, a ponte que nos liga a Deus e sua cruz a única forma de chegar ao Céu. Você, eu, jovens usados e ousados, geração levantada para fazer diferença e mostrar a uma geração corrupta, má e desesperançada que existe uma saída, há uma luz que brilha no fim do túnel, e essa luz brilha por nós. Vá até eles, cumpra seu dever.


Um grande abraço e semana abençoada.
Pedro Gomes

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Tá tudo liberado?

Não é difícil perceber que nada mais é como antes. Vivemos em mundo inconstante onde existe um meio termo entre certo e errado, onde todas as verdades se tornaram relativas, onde o proibido é permitido e o permitido é ultrapassado. Uma onda de mudanças tem invadido nossas casas e nossas vidas, tem transformado e também transtornado a maneira que vivemos.

Conceitos, princípios, valores, tendências, atitudes, comportamentos. A velocidade com que a onda vem é impressionante e o impacto é inevitável, ou quase. No meio dessa confusão, nesse bombardeio de idéias, não é tarefa fácil encontrar a si mesmo ou descobrir um bom caminho a ser seguido. Numa perspectiva da vida cristã, isso tudo é uma verdadeira armadilha do inimigo, de fato o é. Os jovens principalmente são atraídos por aquilo que julgam ser atraente e divertido e, normalmente, é tudo o que foge da realidade e extrapola limites.

Na insaciável busca pelo diferente é possível encontrar muito mais que o esperado. Algo que aos olhos humanos é o paraíso, mas para o Espírito são trevas. E essas trevas estão tentando, todos os dias, fazer parte da vida do jovem cristão. Aí entra do desafio da santidade. Ser santo para alguns pode parecer uma pretensão absurda enquanto para outros é uma grande ‘besteira de igreja’. É evidente que o mundo coage e constrange aqueles que não querem seguir seus padrões, os torna ridículos, deforma suas imagens e faz pouco caso para que mudem de idéia ou desistam de demonstrar que são diferentes.

Infelizmente muitos jovens cristãos têm deixado que o mundo os esmague com suas pressões. Acham que cultuar a Deus é somente na igreja no domingo; esquecem que o testemunho é um culto a Deus. Não vêem problema em freqüentar boates, ouvir determinadas músicas, defender certos pontos de vistas, falar certas palavras... Tudo me é permitido", mas nem tudo convém. “Tudo me é permitido”, mas eu não deixarei que nada domine.” – 1 Coríntios 6:12. É claro que existe problema! O desafio da santidade consiste em se viver no mundo sem se contaminar por ele, sem manchar as nossas roupas espirituais. Em relação às músicas, muitas delas são interessantes e nos agradam, mas se elas ocupam o lugar da sua adoração a Deus então é um problema; se alguns pontos de vistas vão contra o que diz a palavra de Deus, deve-se ignorá-los; não é certo que mesma boca que louva a Deus seja a mesma que fala palavrões, a palavra de Deus é clara sobre isso: Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem.” – Efésios 4:29.

Não podemos servir a Deus apenas nos dias de culto na igreja. A igreja somos nós, não as paredes e bancos, logo, todos os dias a nossa vida é culto a Deus. Ele nos quer por completo! Deus nos dá o livre arbítrio, nos dá a possibilidade de escolhermos o que queremos fazer, mas prestaremos conta do que fizermos. Jovem, aproveite a sua mocidade e seja feliz enquanto é moço. Faça tudo o que quiser e siga os desejos do seu coração. Mas lembre de uma coisa: Deus o julgará por tudo o que você fizer.” – Eclesiastes 11:9.


Ser santo é ser separado. Separado do mundo, separado do mal, separado pra Deus. É ser luz no meio das trevas; é ser sal que dá o gosto; é ser instrumento para salvação; é andar segundo o Espírito Santo, não segundo a nossa própria carne; é renunciar vontades; é rejeitar o que o mundo oferece; é querer viver pela fé; é se oferecer como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus.

Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne. Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis.  Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei. Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei.” – Gálatas 5: 16-23.

"E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências."
(Gálatas 5:24)



segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

S.O.S. Friburgo

No último fim de semana fui com a minha família à Nova Friburgo, uma das regiões serranas mais devastadas pelas chuvas de janeiro. Fomos lá, com mais outras pessoas de diferentes lugares, com o objetivo de levar uma palavra de conforto, refrigério e paz para aquelas pessoas que estão tentando reconstruir suas vidas. Confesso que um pouco ansioso eu esperava pelo momento em que iríamos encontrar as pessoas.


Ao chegar ao local, Córrego Dantas, era impossível não ver os estragos profundos. Eu estava realmente impressionado com o que eu estava vendo, alguém disse que já estava melhor que nos primeiro dias, mas ainda restam casas destruídas e as que não foram totalmente destruídas estão cheias de entulhos e lama; nas ruas algumas pessoas limpavam suas casas na esperança de recuperar, reconstruir suas vidas.


Depois de um rápido reconhecimento do local, mãos à obra! Dividimos os grupos e as tarefas, alguns iriam fazer o trabalho braçal e outros iriam às casas orar e dar a palavra de conforto. Eu fiquei no grupo que iria às casas. Caminhando pela primeira rua eu estava nervoso e sem saber o que dizer... Até pedi uma ajudinha à Alice sobre o que eu poderia dizer. Então começamos a oferecer ajuda, julguei que seria mais necessária naquele momento. Mas dentro de mim eu fiquei um pouco angustiado porque eu estava fazendo o “contrário” da tarefa pra qual eu tinha sido designado. Então paramos numa casa e nos oferecemos para ajudar no que fosse preciso. Naquela casa pequena havia uma camada espessa de lama nos pequenos cômodos. Dois homens retiravam a lama com pás e o outro carregava o carrinho até o outro lado da rua. Então foi conveniente que eu carregasse o carrinho e despejasse a lama do outro lado da rua, em alguns momentos eu nem tinha mais forças, era o carrinho de mão que me levava (risos).


Algum tempo se passou, fizemos uma pausa e fomos nos reunir com os outros do grupo. Após o almoço que tivemos ali mesmo, recuperamos a energia que seria necessária, porque atravessaríamos para um lado onde algumas famílias estavam sem mantimentos. No caminho, parte do grupo cumpria seu papel de evangelizar e, com muita alegria, colhiam os frutos pra honra e glória de Deus.


Atravessamos para o outro lado e estava consideravelmente pior que o anterior, algumas casas estavam com muito mais lama, e ainda havia muito que fazer. Então, mais uma vez, nos oferecemos para ajudar e logo nos deram uma enxada e pás, com os pés afundando na lama começamos o trabalho. Durante aquele serviço uma moça do grupo, que estava comigo ajudando a retirar a lama, me perguntou se eu já tinha feito aquilo na vida... Eu respondi que não daquela forma e não naquela circunstância. Fiz a mesma pergunta a ela e a resposta foi semelhante à minha, mas ela ainda complementou: “é muito amor, né?”. Aquilo me impactou demais e fiquei pensando. Naquele momento Deus me mostrou mais uma face do Seu amor tremendo, algo que eu nunca vou entender nem explicar, mas eu pude sentir. Eu estava preocupado em demonstrar e mostrar o amor Dele em palavras, mas o que Ele queria é que eu demonstrasse em obras. Sinceramente, humanamente falando, ali não era o melhor lugar para estar e nem fazendo o que eu estava fazendo, mas no meu coração eu tive a certeza que Deus me queria ali muito mais para me edificar do que para edificar outros. Ele foi falando comigo através daquilo que eu via e ouvia, meu coração se encheu de gratidão.

Depois do alarde da mídia, os lugares e pessoas foram esquecidos, ninguém ouve mais falar sobre isso, mas as pessoas continuam lá! As partes principais da cidade foram limpas quase em sua totalidade, enquanto outras padecem na lama, literalmente. Naquele dia Deus me mostrou que aquelas pessoas precisam mesmo Dele, precisam mesmo dessa esperança que não falha, mas também precisam ser amadas. Amá-las naquelas circunstâncias pôde ser demonstrado na simples ajuda.

As águas que devastaram Nova Friburgo não abalaram somente estruturas físicas, mas também emocionais. Levou consigo um pouco de cada pessoa, levou a esperança e, de alguns, levou a vontade de viver. Pais perderam seus filhos, filhos perderam seus pais, parentes perderam queridos.. São tantas histórias, tantos relatos, tantas tristezas, tantas lágrimas que se derramam sobre as lembranças. Fecharmos nossos olhos e tentar imaginar que tudo não passou de um pesadelo é inútil; pensar que agora está tudo bem é uma grande mentira. Mas Deus tem movido o coração de muitos para AMAR aquelas pessoas através de seus atos. Materialmente as pessoas estão supridas, mas emocional e espiritualmente há uma coisa que se necessita agora e com muita urgência: CORAÇÕES DISPOSTOS.


sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

3 coisas

Durante nossa vida percebemos algumas coisas que são indispensáveis em nossas vidas. Precisamos nos alimentar regularmente para termos força e realizarmos nossas tarefas, uma boa higiene para que tenhamos saúde e boa aparência, um teto, convivência familiar, estudos e muitas outras coisas que de certa forma são obrigatórias para que um ser humano possa ter um crescimento saudável e uma vida em sociedade sadia. Na nossa vida cristã não é diferente. Mais especificamente, precisamos de três coisas: comunhão, leitura da Palavra e oração. Como um tripé, se uma das pernas faltar ou for menos que a outra toda a estrutura será comprometida.

Sobre comunhão: Uma coisa é certa, não nascemos para viver sozinhos! Percebemos isso em nossos primeiros anos de vida quando conseguimos identificar nossa afinidade natural com certas pessoas; são colegas de escola, vizinhos, primos, muitos nos identificamos de primeira; outros temos alguns conflitos, talvez por serem iguais a nós, ou por serem diferentes demais. A solidão não nos faz bem, a caminhada é mais árdua se não temos com quem compartilhar das nossas experiências de vida, nossas dores, alegrias, uma mão que nos levante, um abraço que nos acolha. Amigos verdadeiros e fiéis, pessoas em quem confiamos colocadas por Deus em nossas vidas. Os grandes homens de Deus não estavam sós, tinham ao lado sempre um amigo fiel como Davi tinha a Jônatas (I Samuel 18:1-6), um servo que o acompanhasse como Elias tinha Eliseu que recebeu porção dobrada do espírito de Elias sobre ele (II Reis 2:9; 2:12-15)

Jesus, dentre os doze que os seguia de mais perto havia aqueles que tinham mais intimidade com ele, Pedro, Tiago e João tiveram momentos ímpares ao lado do Filho do Homem.

“E aconteceu que, quase oito dias depois destas palavras, tomou consigo a Pedro, a João e a Tiago,e  subiu ao monte a orar.- E Pedro e os que estavam carregados de sono; e, quando despertaram, viram a sua glória e aqueles dois homens que estavam com ele.”(Lucas 9:28,32), momentos de manifestações sobrenaturais, milagres e de profunda dor do Mestre. Amigos não estão presentes apenas na festa, mas são nossas companhias no pranto. Existe algo de muito profundo nos relacionamentos de amizade. Há muitos tesouros nisso, Deus se agrada da união dos irmãos.
“Quão bom e agradável é que os irmãos vivam em comunhão.” (Salmos 133:1)
Feliz aquele que encontra verdadeiros amigos e, mais que isso, sabem transformá-los em irmãos. “em todo tempo ama o amigo, mas na angustia nasce o irmão.”

Sobre leitura da Palavra: A Bíblia é sem dúvidas a Palavra de Deus. Ela alimenta nossa alma num mundo que oferece ricos manjares e delícias, é nosso escudo em meio às guerras, fortaleza na tempestade. Há momentos em que a palavra de Deus e as promessas contidas nela são a única saída em meio à crise. Cada vez que lemos a Bíblia alimentamos nossa fé, temos fundamentação para os nossos argumentos. Do que adianta determos a ciência, filosofia se pra nós é desconhecida a maior fonte de inspiração e verdade já vista?
“Pois a palavra de Deus é viva e poderosa e corta mais do que qualquer espada afiada afiada dos dois lados. Ela vai até o lugar mais profundo da alma e do espírito, vai até o íntimo das pessoas e julga os desejos e pensamentos do coração delas. Não há nada que se possa esconder de Deus. Em toda criação, tudo está descoberto e aberto diante dos seus olhos, e  é a ele que todos nós teremos de prestar contas” (Hebreus 4:12-13 - NTLH)
É nosso alimento espiritual, se não nos alimentamos, o cansaço e diminuição das nossas forças, assim como a perda da capacidade mental são conseqüências certas. Da mesma forma, se não nos alimentamos das Palavras de Vida que encontramos na Bíblia Sagrada, tornamo-nos pessoas fracas espiritualmente. Assim como compramos um eletrodoméstico, que tem como acompanhante um manual que orientará qual a forma mais adequada de fazer uso do seu equipamento, a bíblia é nossos Manual de fé e prática. Nela encontramos regras e orientações para todos os nossos problemas e áreas da nossa vida, palavras de consolo, ânimo e repreensão, armas para lutarmos em nossas batalhas e muitas outras coisas; histórias de homens como nós, sujeitos às mesmas paixões, mas que lutaram a todo tempo e tiveram vitória das mãos do Pai.

“A Bíblia é consolo para o coração ferido. Alívio para a alma cansada. Luz para as trevas. Gozo na aflição e paz para os atribulados.” - Pr. Enéas Tognini - Presidente da Sociedade Bíblica do Brasil.

Eu disse “fé e prática”, não deve ser apenas lida, mas aquilo que o Senhor tem a nos ensinar em Sua palavra deve ser colocada em prática a todo momento, em todos os lugares e com qualquer pessoa, para que testemunhemos a obra do Senhor em nossas vidas, gerando assim vida.


Sobre oração: A oração é a chave que abre portas. Na oração encontramos verdadeiras armas. Em meio às lutas e perseguições, é na oração que encontramos forças para caminhar. Deus sabe das nossas lutas, aflições e necessidades, mas Ele quer ouvir de nós nossos desejos e vontades. Ela é, realmente, a maneira de falarmos com Deus. É fundamental para mantermos um relacionamento real com Ele. Pense em uma amizade, não há nenhuma outra forma de relacionarmos com o outro se não conversamos, trocarmos idéia, opiniões, pontos de vista e conselhos. Se não conversamos, logo não há comunhão, uma vez que falamos devemos ouvir, ao contrário seria um monólogo não um diálogo. Logo se não falamos com Deus é impossível ter comunhão com ele.
“Não se preocupem com nada, mas em todas as orações peçam a Deus o que vocês precisam e orem sempre com o coração agradecido.” (Filipenses 4:6 - NTLH)
Durante toda a história do povo de Deus e até os dias de hoje, uma oração sincera mudou histórias de vidas (A oração de Jabes – I Crônicas 4:9-10), o destino de uma nação, abriu a madre daquela que não podia ter filhos(Ana, mãe do profeta Samuel – I Samuel 1:9-20), trouxe chuva à terra seca e liberdade ao cativo(Paulo e Silas na prisão – O Atos 16:22-26). Deus quer que tenhamos uma vida de oração, quer que toquemos Seu coração, ouvir de nós com sinceridade o que sentimos e queremos. Orar é falar com Deus e ouvir o Senhor falando conosco. Na oração temos calma nas tribulações.
Se para uma vida saudável precisamos seguir alguns padrões e normas de uma vida balanceada na nossa caminhada com Cristo é a mesma conversa. Nossa vida com Deus deve ser plena e equilibrada, Ele não quer que nos falte nada, nem espiritual nem material. Se temos vida de oração e andamos só, como lobos solitários não teremos quem nos oriente, nos levante e nos aqueça no frio. Temos que ser como ovelhas, e ovelhas andam juntas sempre guiadas pelo Bom Pastor. Se nunca estamos sozinhos, mas não lemos a bíblia não teremos sabedoria para nos relacionar com os outros.  Uma vida de leitura da Palavra de Deus sem oração de nada adianta, não teremos as armas espirituais que o Senhor nos dá quando oramos.
Que você viva uma vida espiritual saudável, relacionamentos sinceros e de qualidade que gerem crescimento espiritual e pessoal. Comunhão constante com Deus, isso é mais importante que qualquer relacionamento bem-sucedido, tenha sempre como manual de instruções a BÍBLIA SAGRADA, revelação de Deus.
“(...)para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” (Romanos 12:2b)

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Sobre as lutas da vida...


No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração.”
Efésios 6:10/Romanos 12:12

Sofrimento, prova, luta e dor... Pensando assim parece até que somos vítimas de uma catástrofe, mas, na verdade, estas são apenas algumas maneiras como analisamos as circunstâncias diante dos obstáculos que aparecem pelo nosso caminho. Tentamos não focar nossa visão no que nos atrapalha caminhar, às vezes, a montanha é muito alta ou o caminho muito esburacado... Ignorar é quase impossível. Tentamos ser otimistas, mas é difícil ter ou manter um pensamento positivo quando tudo à nossa volta parece colaborar para que o pior aconteça. Ficamos aflitos, abalados, inquietos. O que fazer? Às vezes tudo o que se precisa é sentar quietinho num canto, ficar em silêncio, respirar fundo e buscar a paz de Deus neste mundo atribulado.”- Maurício Zágari.

Com os olhos fitos em nossas dificuldades, não conseguimos enxergar Deus operando suas maravilhas. Impacientes, cansados, desesperançosos, desmotivados clamamos pelo socorro divino. Ouve, Senhor, a minha voz quando clamo; tem também piedade de mim, e responde-me.” – Salmos 27:7. Nossa impaciência é fruto da nossa falta de confiança no Pai, não descansamos nEle e nossa esperança falha. Precisamos para de olhar para as circunstâncias e voltar nossos olhos para o Senhor que é poderoso, esperar no Seu amor porque Ele nos fortalece. Espera no Senhor, anima-te, e ele fortalecerá o teu coração; espera, pois, no Senhor.” – Salmos 27:14.

Mais difícil que parar de olhar para as circunstâncias é dar graças a Deus pelas dificuldades. Parece bem estranho e sem motivo, mas isso é o que Deus quer. Dêem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus.” - 1 Tessalonicenses 5:18. Já parou pra pensar que é tão fácil louvar e engrandecer a Deus quando tudo está em paz, mas se as lutas vêm fica tão difícil olhar para Ele e dar graças? Louvar em meio às tribulações é dom daqueles que sabem e confiam plenamente que Deus traz o refrigério para a alma, têm seus corações juntos ao coração do Pai, em suas fraquezas são aperfeiçoados no Poder de Deus. Sabem ouvir e reconhecer a voz de Deus os encorajando, dando esperança e paz que excede todo entendimento.

Nas nossas batalhas espirituais, diárias e constantes, devemos estar preparados. O desgaste físico e emocional e espiritual é grande, o desafio é pesado, mas Deus é maior ainda e está conosco e sempre irá à nossa frente desarmando as armadilhas do inimigo. Não precisamos temer. O Senhor é a minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O Senhor é a força da minha vida; de quem me recearei?” – Salmos 27:1.

"Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação, [...]"
 2 Coríntios 4:17


quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Um caminho e uma chance


Jesus, em toda a sua caminhada sobre a Terra esteve cercado de muita gente. Eram fariseus, comerciantes, médicos, enfermos (de alma e fisicamente) príncipes, pescadores, prostitutas, bandidos e pessoas comuns. Mas todas tinham algo em comum: além do pecado que habitava cada um, essas pessoas em algum momento de suas vidas tiveram seus caminhos cruzados com o do Messias.

Não planejaram se encontrar com Cristo, pelo contrário, foram surpreendidos com a figura do Filho de Deus, Aquele capaz de mudar a história da humanidade; eles estavam diante Daquele que poderia oferecer das águas que nunca secam. O Homem que lhes daria descanso eterno estava ali tão perto, pronto para ouvi-los, mesmo que cercado de multidões, cansado de tantas viagens e da sombra da cruz que pairava sobre Ele.
Essas pessoas estavam tendo a chance das suas vidas. Alguns nunca mais o veriam, outros passariam anos ao seu lado, outros morreriam pelo Seu Reino, mas todos de alguma forma seriam eternizados na Bíblia Sagrada e teriam seus nomes citados em púlpitos de igrejas.
“Disse-lhe, pois, a mulher samaritana: Como, sendo tu judeu, me pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana? (porque os judeus não se comunicam com os samaritanos).” João 4:09
A mulher samaritana que teve a honra de dar água ao Cristo que em troca lhe ofereceria de uma água diferente, que cessaria para sempre sua sede; “Jesus respondeu, e disse-lhe: Qualquer que beber desta água tornará a ter sede; Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.” João 4:13-14 além da sede teve suas dúvidas sanadas, sua moral restabelecida.
“Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus.” João 4:21-22
Aquela mulher podia mais uma vez se sentir livre, ela havia recebido o maior dos convites, não precisava mais se subjugar, O que tinha poder não o fez. É como se eu pudesse ver aquela samaritana voltando pra casa dizendo que bebera de uma água diferente oferecida pelo Filho de Deus, e que Ele dissera que o Deus de Israel poderia ser adorado em qualquer lugar, e o momento era aquele.
O jovem rico que questionava Jesus sobre a Vida Eterna ao receber a resposta que não queria deu as costas para Aquele que mudaria sua sorte, amou mais suas riquezas, para ele seria muito difícil e pouco recompensador deixar tudo o que conquistara na terra para receber um “tesouro” no céu.
“E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna?” Mateus 19:16
“Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me. E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades.” Mateus 19:21-22
Somos como esse rapaz quando pra nós o palpável e reluzente nos é mais atraente do que o Reino de Deus. Há momentos que buscar as coisas do céu é muito cansativo, afinal de contas, o céu está tão distante de nós, há tanto tempo escutamos sobre a volta de Jesus, e até agora... Estamos aqui, não é?!
Pedro não tinha idéia de como seria pescar homens, mas sem olhar para trás seguiu a Cristo e viveu experiência que nem a maioria dos discípulos conheceu. Pedro conheceu o sobrenatural de Deus. Ele duvidou que fosse Jesus, a prova foi que ele também fosse andar por sobre as águas... e por MEDO afundou, e mesmo afundando Ele experimentou do socorro do Pai e da cura que Jesus oferecia para os medos e traumas daqueles que O encontrava.
Pedro aprendeu com Cristo a difícil arte de ser fiel à sua própria consciência, a assumir seus erros e suas fragilidades.”( Análise da inteligência de Cristo : o Mestre dos Mestres / Augusto Jorge Cury — São Paulo: Academia de Inteligência)
Jesus não se importava apenas em levar salvação e em convencê-los do pecado, justiça ou juízo. O Mestre dos mestres se importava também em trazer uma perspectiva de vida àquelas pessoas, trazia cura, paz, a restauração do caráter daquele povo, a saúde e a dignidade de vida. Não seria isso a mesma coisa que nós, mesmo após Sua morte e ressurreição, procuramos?Aqueles que se encontravam com Cristo estavam diante da maior chance de toda sua existência. Os que preferiram ficar com suas riquezas e idéias distorcidas talvez lá na frente se arrependessem, mas perderiam tempo demais até caírem na real, muito sofrimento que poderia ser evitado.
É tempo demais pra ficar longe d’Aquele que sonhou em estar contigo e entregou Seu Único Filho ao sacrifício, mas os que mesmo amedrontados e temerosos se rendiam ao Seu chamado mudavam o rumo da história de suas vidas, em Jesus podiam mais uma vez sonhar, sonhar com uma Eternidade ao lado do Pai, seus pecados não lhes pesavam mais. A culpa? Se nem Aquele que não tinha pecado poderia os condenar, não havia mais lamento, seus ombros estavam leves. Seus fardos eram trocados pelo jugo leve. “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.” Mateus 11:29
Ainda hoje o Senhor se encontra conosco, Ele nos escolhe antes mesmo de pensarmos em escolhê-Lo. Cristo nos amou com um Amor Eterno, e não importa a vida que um dia levamos e as culpas e falhas acumuladas nos nossos ombros, Ele tem um caminho de novidade de vida pra mim e pra você. Mas o convite deve ser aceito por nós, Ele bate à porta. Cristo é educado e não vai te arrastar pra viver com Ele, Seu convite a revolucionar teu viver ecoa pela Eternidade, nada daquilo foi em vão.
A escolha é minha e sua, a chance talvez possa ser a última, e se não for, não sofra à toa, corra logo para os braços d’Aquele que com certeza entende seus problemas e tem todos os seus questionamentos solucionados. Não seja como o jovem rico que, ouvindo d’Ele como herdar a vida eterna, achou mais importante seus bens materiais tão valiosos e passageiros; mas como o paralítico a beira do caminho, o coxo, a homem que tinha uma das mãos mirrada, como Pedro, Tiago, Lucas, Zaqueu. Cada um com uma história de vida particular, mas com um ponto em comum, o encontro com Aquele que mudou sua história de vida. Faça o mesmo.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

É hora de avançar!


Diante de tantos desafios que Deus tem colocado à nossa frente, pela graça e misericórdia dele, podemos dizer que temos sido vitoriosos. Alguns desses desafios foram facilmente superados, outros nem tanto. Mas isso aconteceu para que pudéssemos reconhecer que dependemos de Deus.
Quando nos deixamos abalar por esses desafios, se não cremos o suficiente, recuamos e Deus não se agrada disso. Sua palavra, no livro de Hebreus 10.38, nos diz: Mas o justo viverá da fé; E, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele.”
A verdade é que não temos fé, pois, do contrário, ainda que pequena, poderíamos fazer qualquer coisa! Foi o que disse Jesus aos seus discípulos, em Mateus 17.20: “[...] Eu lhes asseguro que se vocês tiverem fé do tamanho de um grão de mostarda, poderão dizer a este monte: ‘Vá daqui para lá’, e ele irá. Nada lhes será impossível.”.
Nós ficamos impressionados porque o Senhor abriu o mar, ressuscitou Lázaro, transformou água em vinho, entre outras pequenas e grandes coisas. Mas não conseguimos confiar plenamente que possa nos ajudar a ultrapassar os obstáculos que aparecem no nosso caminho.
Será que acreditamos, de verdade, que Ele realizou tantos milagres e prodígios? Nossa visão ainda é muito limitada. Continuamos a olhar para as circunstâncias e não conseguimos enxergar a mão poderosa do Senhor agindo em nosso favor. A inconsistência da nossa fé é resultado do nosso relacionamento inconsistente com Deus.
Se tivéssemos um relacionamento concreto com Cristo, teríamos confiança e, sob qualquer ordem dele, seguiríamos sem duvidar.  Essa inconsistência da nossa fé também não nos permite avançar e viver os propósitos que Deus ainda tem para realizar em nós e através de nós. Não podemos duvidar da fidelidade do Senhor! Ele não é como nós, que prometemos e não cumprimos. Ele é Santo, Justo e Fiel. Sua palavra nos diz “Porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas.” – Lucas 1:37.
Os recursos podem acabar; podemos não ter mais forças para caminhar. Mas, se Ele nos manda prosseguir, é porque Ele vai estar conosco e será nossa provisão. Assim como falou a Josué “Lembre da minha ordem: “Seja forte e corajoso! Não fique desanimado, nem tenha medo, porque eu, o SENHOR, seu Deus, estarei com você em qualquer lugar para onde você for!” – Josué 1:9.  Precisamos ter fé de verdade e não vacilar em nossa caminhada. É hora de avançar!







sábado, 29 de janeiro de 2011

Pensei - Palavrantiga

"Palavrantiga é acreditar na poesia da vida – seus percursos alegres ou não – expressada através da música e da escrita."

Palavrantiga pra mim é uma das formas mais sinceras e profundas de adorar a DEUS.
Com suas letras diferentes, sempre muito simples, mas que falam do desejo de adorar ao Pai, amar ao próximo, ir contra a onda do mundo e caminhar sempre.

"ficou claro para quem conheceu o som: quatro roqueiros dispostos a fugir de qualquer caminho óbvio em suas composições, instrumental ou liricamente, expressando sua fé, dúvidas e sua vontade de continuar caminhando."




Palavrantiga

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Sobre pecar...

Pó. Tão pequenos, tão falhos, tão frágeis, assim somos nós diante de tudo o que Deus criou. Somos apenas pó. Ainda no Éden, depois de criados homem e mulher, Deus havia deixado a ordem para não comerem do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, mas vindo a serpente, certamente uma investida do maligno, usou argumentos falsos disse à mulher: Deus disse isso porque sabe que, quando vocês comerem a fruta dessa árvore, os seus olhos se abrirão, e vocês serão como Deus, conhecendo o bem e o mal.” – Gênesis 3:5. Deixando se levar pela serpente “A mulher viu que a árvore era bonita e que as suas frutas eram boas de se comer. E ela pensou como seria bom ter entendimento. Aí apanhou uma fruta e comeu; e deu ao seu marido, e ele também comeu.” – Gênesis 3:6Por causa disso, homem e mulher pecaram, romperam com a aliança que existia entre eles e Deus.

“Por essa razão, Cristo é o mediador de uma nova aliança para que os que são chamados recebam a promessa da herança eterna, visto que ele morreu como resgate pelas transgressões cometidas sob a primeira aliança.”
Hebreus 9:15.

Hoje em dia não é diferente. Muitas coisas se passaram e muito aconteceu após o pecado no Éden, mas apesar de não estarmos mais naquele jardim e não andarmos nus, não vermos cobras falarem; continuamos a comer alguns frutos proibidos; continuamos a ouvir as vozes, línguas mentirosas que querem nos levar para longe de Deus e quando conseguem, percebemos que era uma armadilha chamada pecado. Quando nos afastamos de Deus é como se estivéssemos presos por um fio para não cairmos no abismo e, de repente, o fio se rompe e despencamos para o fundo desse abismo. Durante a nossa queda, pelo caminho até o fundo, existem algumas ‘soluções’ que possam nos livrar do terrível impacto que nos aguarda, prometem que sairemos ilesos. Mentira. Na verdade, essas falsas soluções só aumentam a profundidade do abismo e continuamos a cair.

Na realidade somos culpados. Quando nos dispomos a buscar Deus e conhecê-lo, é certo que o diabo não fica feliz e tenta nos impedir a todo custo. Mas isso não quer dizer que tudo de ruim que nos acontecer será culpa dele, ou seja, nós temos uma parcela significativa no que se refere à decisão que tomamos em face da escolha que temos de vencer os obstáculos ou ir pelo “caminho mais fácil”. Maurício Zagari, em seu Twitter, escreveu muito bem: Meu pior inimigo não é o diabo, sou eu mesmo. Pois o diabo apenas sugere, quem conscientemente decide pecar sou eu.” Mas precisamos admitir que a existência uma batalha espiritual dentro de nós. Pois nós não estamos lutando contra seres humanos, mas contra as forças espirituais do mal que vivem nas alturas, isto é, os governos, as autoridades e os poderes que dominam completamente este mundo de escuridão.” – Efésios 6:12.

Não há novidade no pecado. O diabo continuar nos oferecendo coisas maravilhosas com suas bandejas abarrotadas de ‘delícias’ que satisfazem a carne, sua armadilha continua eficaz. Somos fracos, ainda amamos este mundo mais que amamos a Deus. Essa é uma verdade apesar do que a Palavra de Deus nos alerta “Não amem o mundo, nem as coisas que há nele. Se vocês amam o mundo, não amam a Deus, o Pai.” – 1 João 2:15. Nesse sentido o autor de Hebreus, no capítulo 12 versículo 4, tem razão quando diz: “Na luta contra o pecado, vocês ainda não resistiram até o ponto de derramar o próprio sangue.” – Hebreus 12:4. Deus sabia que não seríamos capazes de derramar nosso próprio sangue para vencer o pecado que nos sufoca, por isso mandou seu Filho amado para morrer por nós, indignos. O amor do Pai encobre a nossa multidão de pecados.

Existe uma esperança, uma verdade maravilhosa: Cristo salva! O sacrifício de Jesus quebrou as correntes do pecado e nos tirou da opressão do diabo, nos deu perdão e restaurou o nosso relacionamento com Deus. “É por meio do próprio Jesus Cristo que os nossos pecados são perdoados. E não somente os nossos, mas também os pecados do mundo inteiro.” – 1 João 2:2. O sacrifício maravilhoso e redentor foi feito por amor para que nós tenhamos vida em abundância, é único e válido eternamente, mas precisamos confessar diante de Deus os nossos pecados, nos arrepender de verdade para que haja perdão. A salvação veio através de Jesus e se formos libertos e salvos não seremos condenados à morte pelo pecado, mas viveremos com Cristo. Nada se compara à VIDA ETERNA que Jesus veio nos dar de graça pela graça!

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
João 3:16

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Tribulações



Quando leio o capítulo 4 da segunda carta de Paulo aos Coríntios, consigo perceber, mesmo que ainda pouco se comparado a tudo que o Senhor quer revelar a mim, o quanto o Senhor trabalha em nossas vidas através das nossas lutas diárias, problemas e crises. O quão pequenas são nossas aflições. Mesmo que para nós pareçam monstros indestrutíveis, a Sua Palavra nos mostra que além de passageiros são leves, se comparados com o que Ele tem preparado para nós.
Dizemos que é muito difícil, muito pesado, até temos a coragem de falarmos que não iremos agüentar, pois não nascemos para sofrer. Essa é uma das coisas mais vãs que fazemos, pois influenciados pela mídia ou até mesmo por uma cultura nacional, que nos ensina desde pequenos que temos o direito de sermos felizes e que não nascemos pra sofrer. De fato o Senhor nos formou e nos chamou para sermos felizes e vivermos uma vida plena. Mas esse conceito de felicidade e plenitude a luz da bíblia não nos diz que teremos uma vida sem problemas e de conforto. Deus não é contra o conforto, não é pecado viver bem. Mas Deus não está interessado se vamos ao shopping nesse fim de semana ou se nos divertiremos com nossos amigos, ou se seremos prósperos, mais importante pra Ele é nos manter por perto, e isso infelizmente ou felizmente acontece em nossos momentos de crises e tribulações.
O que mais me chama atenção nesse texto de 2 Coríntios 4, é que temos a impressão que Deus nos pega antes do buraco... Calma, calma, você entenderá.
“Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos;” 2 Coríntios 4:8-9
Por mais que os ventos nos atribulem, não seremos angustiados, ou tristes de alma. Ainda que os problemas nos tirem a paz momentânea e nos assuste, nosso ânimo não será abalado. E que venham as perseguições, mas em Deus estamos seguros!
Palavra fiel é esta: que, se morrermos com ele, também com ele viveremos;” 2 Timóteo 2:11
Abatidos, entregues aos nossos problemas, mas nunca destruídos por eles, há em nós força que nos faz passar pelas águas agitadas da vida e atravessar o fogo das provas. Somos surpreendidos e levados a pensar nas nossas momentâneas provas, por mais que às vezes se apresentem a nós como monstros, mas se comparados com Deus e Seus livramentos não passam de ratos. O que é mesmo a morte quando comparada a uma Vida Eterna na presença de DEUS mesmo?
Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco.” 2 Coríntios 4:14

Por favor, pense mesmo nisso... Nossos problemas, crises, dores (até as mais profundas) não podem ser comparadas a imensidão e perfeição de coisas que o PAI tem pra nós. Nosso sofrimento foi, por acaso, maior que o de Jesus na cruz? Abrir mão dos nossos planos, do prazer do pecado é mais doloroso que um Pai dar Seu Único Perfeito Imaculado e Amado Filho por pecadores que o crucificariam e virariam as costas para essa cruz?
A partir de hoje, meu amigo, olhe para as lutas e a morte tendo ao fundo o brilho da glória do
Pai e a perfeição dos Seus planos pra ti.

"Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente." 2 Coríntios 4:17

Um grande abraço.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Velha Canção - Nívea Soares


"E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra."
(2 Crônicas 7:14)

sábado, 22 de janeiro de 2011

Eu confio em Ti - Vineyard e Ronaldo Bezerra

Participação da Vineyard Piratininga no DVD do Ronaldo Bezerra - gravado ao vivo na Comunidade da Graça em Vila Carrão no ano de 2009


"Mas eu confiei em ti, SENHOR; e disse: Tu és o meu Deus." Salmos 31:1